quinta-feira, 31 de março de 2011

memória mágica VIII

vi pela fresta da porta a capa vermelha, o cesto de palha, o sexo singelo, a forma de fada. não lembro em que agora quis saber dos meus lábios, narinas e orelhas. não lembro em que hora pediu: me devora!

quarta-feira, 23 de março de 2011

dia agnóstico

o
clínico
cínico
era
um
risco
no
disco
rígido
do
cérebro
:
rim
ruim
fígado
notívago
pâncrea
pândego
intestino
estático
sua
voz
ousando
versos
sonoros
tudo
tão
distante
tão
distinto
pedi
de
pirlimpimpim
mas
sininho
havia
sumido
com
a
seringa
de
soro
lisérgico
e
peter
pan
que
sacrilégio
desligara
a
vitrola
antes
que
se
soubesse
se
era
roque
ou
réquiem
o
som
que
rolara
no
dial

quinta-feira, 17 de março de 2011

memória mágica VII

não

sei

se

estava

na

prússia

ou

na

trácia

quando

rapunzel

lançou

as

belas

tranças





achei

que

valia

à

pena

escalar

suas

melenas

e

ficar

cego

na

cena





mas


estava

na

pérsia

e

sherazarde




sem

pressa




me

levou

na

conversa

com

uma

história

sem

fim

sexta-feira, 11 de março de 2011

memória mágica VI

quando
ella
speed
veio
se
despedir
fez
jura
que
a
magia
das
alturas
logo
a
traria
pra
mim
não
veio
até
agora
e
decerto
o
corvo
que
gralha
fora
levará
embora
o
que
dela
restou
aqui

terça-feira, 8 de março de 2011